Vitimas do acidente com o Airbus A330-200 do voo AF447 Rio-Paris da Air France

Havia 228 passageiros a bordo do voo 447 da Air France, de acordo com a companhia francesa, estavam a bordo:

61 franceses, 58 brasileiros, 26 alemães, 9 chineses, 9 italianos, 6 suíços, 5 britânicos, 5 libaneses, 4 húngaros, 3 irlandeses, 3 noruegueses, 3 eslovacos, 2 norte-americanos, 2 espanhóis, 2 marroquinos, 2 poloneses, 1 argentino, 1 austríaco, 1 belga, 1 canadense, 1 croata, 1 dinamarquês, 1 holandês, 1 estoniano, 1 filipino, 1 islandês, 1 gambiano, 1 romeno, 1 russo, 1 sul-africano, 1 sueco e 1 turco.

O acidente, destruiu os planos de jovens casais em lua de mel, da viagem de ferias da família, da especialização profissional, e varias outras estórias que tiveram seu curso interrompido.

A lista abaixo são de passageiros do Airbus A330-200 do voo 447 Rio-Paris da Air France, é extraoficial e incompleta, e será editada assim que os nomes forem sendo divulgados.

O canadense Brad Clemes, 49, executivo da Coca-Cola na Bélgica, segundo a agência Canadian Press, Clemes nasceu em Guelph, em Ontário, mas trabalha fora do país há quase 15 anos, pela Coca-Cola, onde trabalhava na área de marketing, ele já trabalhou na África do Sul e países de Europa, Ásia e Oriente Médio.

Não há informação sobre o motivo da viagem de Clemes ao Brasil.

Por temor de desastres aéreos, a sueca Christine Badre Schnabl, 34, e o marido também embarcavam em voos diferentes quando viajavam com os dois filhos do casal. No domingo, ao embarcarem no Rio de Janeiro com destino à Suécia, também foi assim.

Segundo o jornal sueco “Expressen“, o marido pegou um voo mais cedo, com a filha de três anos de idade. Christine, acompanhada pelo filho mais velho do casal, Philipe, de cinco anos de idade, embarcou no voo 447 da Air France, que desapareceria horas depois sobre o Oceano Atlântico.

Christine vivia havia dez anos no Rio de Janeiro e estava voltando com a família para passar as férias na Suécia. Ela trabalhava como engenheira civil na câmara de comércio do consulado norueguês.

O inglês Arthur Coakley, 61, estava no Brasil para trabalhar numa plataforma petrolífera por quatro semanas.

Em entrevista à BBC News a mulher dele disse que o marido deveria ter voltado antes, mas precisou adiar a viagem. Ele deixa dois filhos e uma filha.

A médica Bianca Machado Cotta e o advogado Carlos Eduardo Macário de Melo se casaram no sábado à noite, com uma grande festa no Iate Clube de Icaraí, em Niterói, depois de três anos de namoro, iam
passar a lua de mel em Paris.

Filha única do cientista Renato Cotta, professor do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), Bianca formou-se em medicina em dezembro passado.

Eduardo também era recém-formado em direito, de acordo com um parente, Bianca é uma jovem romântica, de 25 anos, que realizou um casamento “de contos de fada“, para cerca de 300 convidados. Na família da noiva, há dois desembargadores: Enéas Cotta, aposentado, e Renata Cotta, que assumiu o posto recentemente.

Seu nome completo era digno da nobreza: Pedro Luiz Maria José Miguel Gabriel Rafael Gonzaga de Orleans e Bragança. Mas era tratado mesmo como dom Pedro Luiz. Nasceu em 1983, no Rio, filho do príncipe dom Antonio e da princesa belga Cristina de Ligne.

Ele era descendente de Dom Pedro II e o quarto na linha sucessória de trono, formado em administração de empresas e com pós-graduação em economia, dom Pedro Luiz estagiava numa instituição financeira de Luxemburgo.

Pedro Luiz estava à procura de uma princesa, aos 26 anos, ele queria se casar para manter uma tradição tão cara aos Orleans e Bragança: o sonho de restaurar a monarquia nos trópicos.

Vivia em Luxemburgo e sabia que ali, no pequeno país europeu incrustado entre França, Bélgica e Alemanha, estava mais próximo dos castelos que frequentava, dos casamentos e aniversários, das festas, dos encontros de nobres.

O cirurgião plástico Roberto Correa Chem, 65, era diretor do banco de peles do serviço de cirurgia plástica da Santa Casa de Porto Alegre, no avião estavam também a mulher, a psicóloga Vera Chem, 63 e a filha Letícia Chem, 36 (gerente de roaming da Oi – RJ). Estavam todos de férias e a caminho da Grécia.

Os Chem deixaram uma filha (que está grávida), um filho (o médico Eduardo) e dois netos, um de 8 anos e outro de 1 ano

Formado em Tecnologia da Informação, Antonio Gueiros (foto 1), de 46 anos, O Brasileiro que nasceu no Rio de Janeiro, registra 24 anos de carreira na Michelin.
Começou sua carreira na empresa como analista de sistemas, passando a coordenador, gerente, “Cliente Solution Manager” desde 4 de maio de 2009, assumiu a responsabilidade de diretor de Informática da Michelin América do Sul. Deixa dois filhos.

Viajava com Luiz Roberto Anastácio (foto 2), 50, Brasileiro funcionário da companhia há 27 anos, era atual presidente para a América Latina do fabricantes de pneus Michelin.

Juliana Ferreira Braga de Aquino, 29, era cantora e morava havia seis anos na Alemanha. Ela tinha vindo ao Brasil para visita em Brasília pais e amigos. Ficou 20 dias. Ela foi estudante de canto na UnB (Universidade de Brasília).

No ano passado, foi a Maria Madalena em Jesus Christ Superstar, musical promovida na Áustria. Atualmente, fazia parte do musical Wicked, em Stuttgard.

No Brasil, era pouco conhecida, embora tivesse talento temperado por uma voz suave e afinada.

Adriana Francisca Van Sluijs, de 40 anos, era assessora de imprensa da presidência da Petrobras, Adriana estava a caminho da Coreia do Sul, onde participaria de uma cerimonia para inaugurar um navio sonda.

Monarquia em Ação
Um grupo de amigos reunidos para divulgar, difundir, apoiar, os esforços de todos os brasileiros para restaurar a forma monárquica de governo.
This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

Leave a Reply