2017 – Retrospectiva/Perspectiva 2018

Salve Império do Brasil! Salve Dom Luiz! Salve Monarquia brasileira!

2017 foi um ano sui generis para a Causa Monárquica!

Como monarquista desde a infância, vejo o ano que passou como um momento histórico de grande importância para os que defendem esta causa.

Os movimentos favoráveis à monarquia se multiplicaram pela internet em geral conduzindo o debate a um bom nível.

Republicanos descobriram as mentiras históricas que lhes contavam os professores de ensino fundamental e médio e aderiram a forma de governo monárquica.

A Família Imperial brasileira, toda ela engajada na divulgação do sistema monárquico, passou a ser mais solicitada para palestras, eventos, entrevistas. O nosso site apresentou durante o ano muitas notícias e matérias sobra a Ação Monárquica dos Príncipes Imperiais. Foi destaque em Monarquista a realeza mundial, com menção especial para a Rainha da Inglaterra, Elizabeth II o mais longo reinado da história contemporânea..

O   Monarquista tem divulgado com frequência suas postagens nas redes sociais,  principalmente aquelas que fornecem orientação aos novos admiradores da Monarquia, como a Cartilha Monarquista cuja leitura é muito importante para quem deseja conhecer e restaurar o Império do Brasil.

Este acentuado crescimento do ideal monárquico, apresentou no ano de 2017 dois fatores importantes: o destaque entre políticos nacionais de variados escalões e na Mídia brasileira.

O Congresso Nacional abriu suas portas para homenagear duas das principais figuras da história do Brasil: nossa primeira Imperatriz, dona Leopoldina e Dom Pedro II.

O Senado Federal não tem sido alheio ao crescente interesse da nação brasileira pela Monarquia e em outubro apresentou a exposição Fallas do Trono.

Importantes representantes da Mídia nacional apresentaram sua simpatia pela Monarquia durante o ano de 2017. Destacamos Joice Hasselmann e Danilo Gentili

A influência dos monarquistas está crescendo e nas redes sociais podemos verificar a ação de cabos eleitorais de um possível candidato a Presidência da República, no caso, Jair Bolsonaro. A ação marketeira destes cabos eleitorais em postagens, seja no facebook ou no whatsapp, de gentil e insistente passa a agressiva e melodramática quando são contestados. Entram nos grupos como se fossem admiradores da Monarquia e, paulatinamente, vão desviando o tema das postagens para falar do pré-candidato, exaltando suas pretensas qualidades de combatente da corrupção e da desordem política do Brasil.

A Causa Monárquica não está atrelada a nenhum partido ou candidato. Nossa meta não é consertar a República, cujo vício, a corrupção, não tem conserto, mas de restaurar a forma de governo Monárquica, mais adequada ao desenvolvimento humano, social e econômico.

Os monarquistas são livres para votar no candidato que melhor lhes convém, contudo, devem estar atentos a não ser companheiros de viagem de candidaturas não declaradas e sem um programa explicito e adequado ao combate à corrupção imanente na política nacional.

Quanto mais cresce o ideal monarquista na atualidade, mais nós devemos estar atentos para as falsas lideranças políticas que surgirão querendo assumir o comando e ambicionar cargos de Primeiro Ministro no futuro Império do Brasil. Estejamos atentos e vigilantes!