E se Dom Pedro I tivesse aceitado?

E se D. Pedro tivesse aceitado ser rei grego?

por LEONÍDIO PAULO FERREIRAHoje

LEONÍDIO PAULO FERREIRA

É um episódio pouco estudado, mas terá ocorrido em 1821 e 1822. De certeza quando D. João VI já tinha voltado a Lisboa e antes de D. Pedro, regressando de São Paulo ao Rio de Janeiro, proclamar a independência do Brasil. Um emissário grego entregou na corte portuguesa duas cartas a pedir que o príncipe herdeiro encabeçasse a revolta contra os otomanos. Por um lado, um membro de uma casa real europeia seria um líder acima de quaisquer querelas, por outro, um príncipe vindo de Portugal garantiria o apoio britânico, tão vital para os gregos como o da Rússia, certo depois de o sultão ter mandado enforcar o patriarca ortodoxo.

Sabe-se que a história não pôs um português no trono helénico. Que a Grécia, livre a partir de 1830, acabou por contentar-se com Otão, um alemão. E sobretudo que D. Pedro, tenha ou não sido tentado com a proposta de liderar o renascimento da pátria de Homero, encontrou na independência do Brasil e depois no triunfo do liberalismo em Portugal a sua epopeia. Pedro I do Brasil e IV de Portugal deixaria o trono sul-americano a um filho e no da Europa uma filha.

Que os gregos se tenham lembrado de um português deve ter sido também porque muito em comum viam entre os dois povos. E o contrário também deve ser dito. A rebelião grega encheu a Europa de filo-helenismo e ficaram célebres as pinturas de Delacroix, tal como os poemas de Lord Byron, que por aquelas bandas andou a lutar. Mas também um português foi voluntário contra os turcos para fazer renascer a mais velha nação europeia. O alentejano Figueira de Almeida, veterano da Guerra Peninsular, terá chegado a general e deixou filhos e netos na nova Grécia.

Porque não haviam os gregos de se identificar com Portugal e vice-versa? Camões encheu Os Lusíadas de referências à mitologia grega e se Vasco da Gama descobriu o caminho marítimo para a Índia, Alexandre marchou até ao Indo.

Aliás, um passado maior do que o presente é um dos pontos em comum do Portugal e da Grécia de hoje. Como o são as colinas com oliveiras, o apreço pelo vinho, pão e queijo, ou ainda a orla costeira e os pequenos barcos de pesca. Postais, dirão os cínicos. Cultura partilhada, responderão aqueles que já visitaram a Grécia.

f18dQhb0S7ks8dDMPbW2n0x6l2B9gXrN7sKj6v4dZ1HW8pTv1M3LQdS0N63Bt0PQFLCHW6wfSj71k1H6H0?si=4857034627350528&pi=478e852c-b03e-4c58-a4ee-308577b1322c

This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.