A Imperatriz Brasileira

Artigo escrito por Dionatan da Silveira Cunha


Sem ter nascido no Brasil, mas o amando como se fosse sua Pátria, Dona Teresa Cristina amou seu povo, o povo brasileiro.


Filha obedientíssima, esposa devotada, mãe esmerada e avó carinhosa. Quatro dos papéis familiares que Dona Teresa Cristina teve de desenvolver, além é claro daqueles já conhecidos outros que a providência Divina a encarregou, como o de Princesa das Duas-Sicílias e Imperatriz do distante Império do Brasil.
Teresa Cristina Maria Giuseppa Gasparre Baltassarre Melchiore Gennara Rosalia Lucia Francesca d’Assisi Elisabetta Francesca di Padova Donata Bonosa Andrea d’Avelino Rita Liutgarda Geltruda Venancia Taddea Spiridione Rocca Matilde di Bragança e Borbone, nasceu Princesa das Duas-Sicílias e por casamento com Dom Pedro II, tornou-se Imperatriz Consorte do Brasil. Filha do Rei Francisco I das Duas-Sícilias, a 3º Imperatriz do Brasil era dotada de um grande senso de cordialidade e de educação refinada. Possuía entre seus dotes pessoais uma consonância invejável com seu marido: eram os dois amantes da cultura e das artes. Tal consonância favoreceu o amor que os Imperadores acabariam por sentir um pelo outro, um casamento duradouro que formou dois belos exemplos de patriotismo e dignidade do povo do Brasil: Dona Isabel e Dona Leopoldina.

O amor de Dona Teresa Cristina pelas artes o acompanhou até mesmo na viagem de vinda para o Brasil, onde trouxe consigo muitos músicos, pintores, professores, botânicos, estudiosos e pesquisadores. Na mesma constância vieram do Reino das Duas-Sicílias, a seu pedido, obras que enriqueceram artística e cientificamente a vida na Corte e o país como um todo, foram enviadas por Fernando II, irmão da Imperatriz, obras recuperadas minuciosamente das cidades de Herculano e Pompéia, completando um acervo ricamente composto por ela.

Dona Teresa Cristina tomou para si a Pátria Brasileira. Assim como o Imperador, era apaixonada pelo país que adotou como seu. Gostava, desde os dias mais movimentados no Palácio de São Cristóvão, até os dias mais calmos e descansados no Palácio Imperial de Petrópolis. Se Dona Teresa Cristina adotou o Brasil, os Brasileiros a adotaram e passaram a amá-la e admirá-la, pela calma e semblante sereno que carregava sempre consigo. Foi homenageada com os nomes de muitas cidades Brasileiras como Santo Amaro da Imperatriz (Santa Catarina), Teresina (Piauí), Cristina (Minas Gerais), Imperatriz (Maranhão) e Teresópolis (Rio de Janeiro).

Porem a fatídica data de 15 de novembro de 1889, chegara e porá fim ao Império do Brasil, embarcando sorrateiramente na madrugada do dia posterior sob o comando dos golpistas, a Família Imperial Brasileira, o que gerou muito mal estar entre a Imperatriz e o restante da Família, disse ela ao Embaixador da Áustria: “Que fizemos para sermos tratados como criminosos?”. Embarcaram para Portugal, onde permaneceram por pouco tempo, mas o suficiente para o pior ocorrer, ali mesmo em Portugal, precisamente na Cidade do Porto, em um hotel humilde, a Imperatriz do Brasil passou mal, não atendendo nem mais aos tratamentos médicos, morreu dizendo: “Brasil, terra abençoada que nunca mais verei”. De fato morreu sem ter voltado ao Brasil e seus descendentes, infelizmente, em 120 anos de república, não conseguiram retornar ao poder.

A Imperatriz foi sepultada no Panteão de São Vicente de Fora, de onde saiu honrosamente para ser translada para o Mausoléu Imperial da Catedral de Petrópolis, onde jaz serenamente ao lado de seu marido, o Imperador Dom Pedro II, no solo brasileiro que tanto amou e onde tanto foi amada.


Dionatan da Silveira Cunha.


Foto 1: Dona Teresa Cristina em pintura anterior a seu casamento com Dom Pedro II. Arquivo digital pessoal.


Foto 2: Sua Majestade Imperial a Senhora Dona Teresa Cristina. Arquivo digital pessoal.


Foto 3: Estátua em homenagem à Imperatriz Senhora Dona Teresa Cristina, em Teresópolis. Arquivo digital pessoal.


Foto 4: Foto da Catedral de São Pedro de Alcantâra, onde jaz a Imperatriz e o Imperador, vista da Casa que pertenceu a Princesa Isabel e ao Conde d’Eu. Arquivo digital pessoal.

Monarquia em Ação
Um grupo de amigos reunidos para divulgar, difundir, apoiar, os esforços de todos os brasileiros para restaurar a forma monárquica de governo.
This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

Leave a Reply